O que as empresas podem fazer pela LGPD durante a pandemia
ArtigosFollow-on

O que as empresas podem fazer pela LGPD durante a pandemia

ARTIGO DE OPINIÃO

Por: Emília Campos / Advogada, Professora e autora do livro ‘Criptomoedas e Blockchain, o Direito no Mundo Digital’

Em tempos de pandemia, certamente existem muitas preocupações ocupando a cabeça dos empreendedores: fluxo de caixa, falta de entrada de receita, contas a pagar, folha de salários. Mas antes disso tudo começar, um outro assunto já começava a preocupar, a adequação à Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD, cuja entrada em vigor ainda está programada para 14 de agosto de 2020, não obstante o PL 1179, que propõe sua prorrogação no mínimo para agosto de 2021, estar aguardando aprovação da Câmara dos Deputados e sanção presidencial.

No entanto, o fato é que, ainda que não tivéssemos sido pegos de surpresa pelo COVID-19, a verdade é que a grande maioria das empresas já estava bastante atrasada no cronograma de adequação para a entrada da Lei em agosto de 2020. Recente pesquisa da Serasa Experian mostrou que 85% das empresas não estavam preparadas para a LGPD antes do início da pandemia.

E a postergação da entrada em vigor da Lei é um retrocesso, ainda que possa estar sendo comemorada pelos retardatários, pois é exatamente a ausência de regras claras de proteção de dados pessoais que permitiu a tentativa do Governo do Estado de São Paulo de monitoramento dos cidadãos pelos seus dispositivos móveis, com resguardo na alegação de controle da pandemia. É claro que LGPD não exclui a possibilidade de, por exemplo, em uma situação como a atual, utilização dos dados anonimizados das operadoras para checagem de grandes aglomerações de pessoas. Mas, de acordo com a LGPD, para utilização individualizada dos dados pessoais dos cidadãos, isso precisa ser justificado, ainda que pela administração pública.

A LGPD também prevê que a administração pública está sujeita à prestação de contas sobre o tratamento desses dados à autoridade nacional de proteção de dados. Assim, analisando a questão como cidadãos, efetivamente não há nada para se comemorar na postergação da entrada em vigor da lei de proteção de dados. Assim, ainda que o PL seja aprovado, vale à pena para as empresas aproveitar esse período e investir tempo no projeto de adequação à nova legislação.

E esse processo, vale dizer, é realmente engrandecedor para as empresas. Isso porque na primeira fase do trabalho, que chamamos de “assessment”, são revisitados os fluxos e procedimentos da empresa, para entender onde, quando e porque é feita coleta e/ou tratamento de dados pessoais, e isso acaba ajudando a identificar processos que estão obsoletos e podem ser melhorados. Ou seja, funciona como uma “revisão” com melhorias, o que só tem a acrescentar às empresas.

Um dos problemas mais frequentemente identificado é a coleta de informações pessoais desnecessárias ao serviço prestado ao cliente. Esse tipo de prática acaba gerando uma responsabilidade desnecessária à empresa, inflando seu fluxo de informações, o que precisa ser cortado, gerando a necessidade de incluir no Plano de Ações, que faz parte da segunda fase do trabalho, a revisão dos Documentos solicitados aos clientes, o que gera necessidade de alteração do software, na parte de “backend”, e assim sucessivamente um conjunto de medidas.

Isso significa dizer que o processo de adequação da empresa à LGPD funciona como uma verdadeira anamnese do seu negócio e só ajuda no processo de melhorá-lo. Por isso, aproveite esse período obrigatório de diminuição de ritmo imposto pela pandemia, e comece seu processo pela fase de “assessment”. Seu negócio agradece.

—-

Sobre o Follow-On:

Com uma rede que já conta com mais de 90 parceiros, o Follow-on é uma iniciativa organizada pela Liga Ventures que tem como objetivo reforçar a crença no ambiente empreendedor e de inovação do Brasil diante do cenário atual. O Follow-on quer contribuir para a discussão de uma Agenda Positiva de retomada, pautando as ações de inovação com startups como algo fundamental também em momentos de crise. A nossa rede está organizando uma série de apresentações de pitches de startups, conteúdos especiais, painéis com especialistas, cases estruturados, artigos de opinião, entre outros formatos para que possamos fundamentar ainda mais nossas decisões para uma Agenda Positiva de retomada.

Sobre a Liga Ventures:

Criada em 2015, a Liga Ventures é uma das maiores aceleradoras de startups do país e pioneira no mercado de aceleração corporativa e corporate venture, com parceiros como Porto Seguro, GPA, Banco do Brasil, Brink’s, Embraer, Mercedes-Benz, TIVIT, Saint-Gobain, Unilever, Vedacit, Souza Cruz, Suvinil, Bauducco, Ferrero, Colgate-Palmolive, Unimed FESP e Sodexo. A Liga também já acelerou mais de 200 startups nos ciclos de aceleração e criou mais de 25 estudos inéditos por meio do projeto Liga Insights, apontando startups que estão inovando nos setores de AutoTech, Retail, Tecnologias Emergentes, HR Techs, Health Techs, IT, Real Estate, Food Techs, MarTechs, AgroTechs, EdTechs, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo