Entrevista: Luciano Cunha, membro do Ministério da Economia
Entrevistas | Indústria 4.0Indústria 4.0

Luciano Cunha, Coordenador-geral de Tecnologias Inovadoras e Propriedade Intelectual do Ministério da Economia

Confira entrevista do Liga Insights com Luciano Cunha, Coordenador-geral de Tecnologias Inovadoras e Propriedade Intelectual do Ministério da Economia, sobre os desafios para fomentar a inovação no Brasil

Luciano Cunha, Coordenador-geral de Tecnologias Inovadoras e Propriedade Intelectual do Ministério da Economia, foi um dos entrevistados para o estudo Liga Insights Indústria 4.0, lançado em fevereiro de 2020. Durante a entrevista, ele comentou sobre os desafios para a expansão da indústria 4.0 no Brasil.

O estudo completo está disponível para download neste link.

O Ministério da Economia é o órgão responsável pela política econômica nacional. Atualmente, o ministro responsável pela pasta é o economista Paulo Guedes.

Luciano Cunha conta com passagens pelo MDIC e, atualmente, é Coordenador-geral de Tecnologias Inovadoras e Propriedade Intelectual do Ministério da Economia. 
Confira a seguir a entrevista na íntegra:

 

Liga Insights (LI) – É possível dizer que o setor industrial brasileiro é  aberto à inovação? 

Luciano Cunha (LC) – O Brasil é um país muito grande, com realidades muito diversas. Em média, a adoção de conceitos e soluções tecnológicas é baixa e há, inclusive, uma falta de conhecimento sobre o potencial das novas tecnologias. Ao mesmo tempo, existem grupos de empresas muito avançadas, que estão competitivas mundialmente, e que têm uma característica de ter rapidez e intensidade na adoção de tecnologia. No entanto, representam um número pequeno em relação à média do País. 

LI – Qual a importância de sensorização e Internet das Coisas no contexto de Indústria 4.0?

LC – São essenciais. A Indústria 4.0 demanda a necessidade da sensorização para a coleta de dados, para tratá-los, analisá-los e tomar, a partir disso, decisões de forma automatizada. A sensorização já existente nos equipamentos ou que venha a ser implementada é um passo básico nesse processo. 

LI – Como fazer com que essas tecnologias e inovação em geral cheguem nas PMEs?

LC – Existe um conjunto de ações que são necessárias. Recentemente, trabalhamos junto ao MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), para conseguir aprovar o projeto de lei que alterava a Lei Geral de Telecomunicações; um dos propósitos era reduzir o custo para equipamentos de IoT, já que algumas das taxas cobradas inviabilizam sistemas de mais baixo custo. Além disso, em uma reunião com a FUNTTEL (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações), aprovamos recursos tanto para o BNDES quanto para a FINEP para financiamento de projetos a juros mais competitivos para IoT e para Indústria 4.0, como uma tentativa para facilitar essa adoção. Também temos realizado trabalhos mais diretos com as pequenas empresas, como por meio do programa Brasil Mais Produtivo, e pela parceria com o Estado de SP para apoiar empresas nesse processo.  É um conjunto grande de iniciativas que passam desde melhorar a regulamentação para simplificar, até financiamentos a custos mais acessíveis. Por fim, existe uma questão sobre a própria divulgação da tecnologia e dos potenciais que ela traz e do conhecimento de que nem sempre essas tecnologias são caras e inacessíveis. A partir do diálogo com PMEs, a percepção é a de que empresas pequenas acreditam que novas tecnologias estão fora do escopo, fora da possibilidade delas. Um dos empecilhos é comunicar e mostrar que essas tecnologias têm, sim, possibilidade de serem adotadas em escala menor e como algo positivo.

LI – Quais são os grandes desafios para fomentar inovação no setor da indústria? 

LC – É uma soma de fatores. Existe, por exemplo, desafios de infraestrutura, regiões com cobertura de sinal de celular, internet e redes específicas para IoT bastante razoáveis, e outras com cobertura ínfima. Existe também um desafio relacionado ao nível educacional dos gestores de empresas menores. Muitos profissionais não têm ainda capacitação para compreender novas tecnologias. Nesse piloto com o Estado de São Paulo, um trabalho em conjunto também com o Fórum Econômico Mundial, identificamos entre os principais problemas a questão da gestão da empresa e a falta de pessoas com tempo dedicado a adotar e estudar novas tecnologias.

Confira o estudo completo Liga Insights com o tema Indústria 4.0!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo