Entrevista: Lívia Fermino, Gerente de Suporte e Otimizações do GPA
Entrevistas I LogTechsLogtechs

Lívia Fermino, Gerente de Suporte, Controles e Otimizações do GPA

Confira a entrevista do Liga Insights com Lívia Fermino, Gerente de Suporte, Controles e Otimizações do GPA, sobre as principais tendências tecnológicas da logística

Lívia Fermino, Gerente de Suporte, Controles e Otimizações do GPA, foi uma das entrevistadas para o estudo Liga Insights Logtechs, lançado em novembro de 2019. Durante a entrevista, ela comentou sobre as principais tendências tecnológicas no âmbito da logística.

O estudo completo está disponível para download neste link.

Com 1.054 pontos de venda no Brasil, o GPA está presente em todas as regiões do país. A Companhia faz parte do grupo francês Casino e é também a maior empregadora privada do Brasil em seu segmento de atuação, com mais de 99 mil colaboradores.

Com mais de 10 anos de experiência na indústria e no varejo, Lívia Fermino atua, desde 2010 no GPA. A executiva é formada em Engenharia Bioquímica na USP e possui pós-graduação nas universidades de San Diego (Gestão Empresarial) e Fundação Vanzolini (Logística).
Confira a seguir a entrevista na íntegra:

 

Liga Insights (LI) – Na visão do GPA, quais os principais desafios para a obtenção de sinergia na gestão logística das unidades físicas do grupo e de seu e-commerce?

Lívia Fermino (LF) – Um grande desafio para a sinergia logística entre o varejo físico e o online é a integração dos estoques. Em uma venda omnichannel, nosso principal objetivo é manter o estoque físico acurado em real time, para que a venda online ocorra sem rupturas. Outro desafio logístico é garantir uma boa gestão do abastecimento do sortimento das lojas físicas que vendem também no online.

LI – O Brasil apresenta uma série de obstáculos a serem superados no plano logístico – da infraestrutura aos custos de distribuição. Quais as estratégias do GPA para superar estes pontos?

LF – O GPA vem trabalhando muito fortemente na consolidação de outros modais de transporte. O modal rodoviário possui grandes restrições físicas e há riscos consideráveis, como o vivenciado em 2018 com a greve dos caminhoneiros. Atualmente, atuamos com o modal aquático (no modelo de cabotagem) e no modal ferroviário. Esses modais exigem maior planejamento, dado o leadtime mais longo. Porém, capturamos grandes benefícios nessas iniciativas.  

LI – No ano passado, o GPA anunciou a compra da startup de entregas James Delivery. De que modo o Grupo pretende expandir o modelo de delivery para o contexto de sua gestão logística?

LF – A compra da startup James Delivery foi um grande acerto para garantirmos entregas rápidas para os clientes do Pão de Açúcar e do Extra. A expansão do modelo de e-commerce alimentar faz parte da nossa estratégia e foi consolidada mais fortemente com a inauguração da nossa central de distribuição (CD) dedicada ao formato em 2016. Recentemente, inauguramos também no Rio de Janeiro, nossa operação de e-store, um novo formato de atendimento do e-commerce alimentar com estoque dedicado à operação. Além dessas operações, temos também a opção express e o clique e retire.

LI – Que outras tendências tecnológicas o GPA vem acompanhando? 

LF – Estamos testando softwares com machine learning para previsão de demanda com dados de consumo, temperatura, etc. Temos no nosso roadmap uma solução de roteirização com a machine learning e a utilização de drones para inventários das centrais de distribuição. Temos também uma loja em teste com medição de ruptura em gôndola através de câmeras. Avaliaremos uma iniciativa na Europa com robôs que medem a ruptura de gôndola. E obviamente o blockchain para as interações em toda a nossa cadeia de abastecimento.

LI – Como avaliam a maturidade do mercado de startups atuantes no segmento de logística?

LF – O mercado de Logtechs está crescendo. Participamos do Innovation Day com tema de Logística promovido pelo CUBO, e fomos surpreendidos com a quantidade de startups no ramo da logística. Temos muitas oportunidades a serem solucionadas e acredito que o esse mercado de startups deva ganhar maturidade..

LI – Em termos de eficiência logística, como a tecnologia pode contribuir para o fortalecimento do ambiente de negócios? 

LF – A tecnologia dentro da logística entra na melhoria de fluxos de informações, agilidade na comunicação, rastreamento, gerenciamento online de transportadoras e cargas. Por meio de plataformas de colaboração e compartilhamento, eliminando intermediários e garantindo velocidade nas transmissões de dados.

Confira o estudo completo Liga Insights com o tema Logtechs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo