Aprofundamentos | Tecnologias EmergentesTecnologias Emergentes

Definindo tecnologias emergentes

As tecnologias que vão alterar o mercado nos próximos anos

Odesenvolvimento da ciência e da tecnologia é fundamental para construir e suportar o futuro emergente. Seus avanços permitem que novos cenários sejam criados e as tecnologias emergentes vêm ganhando cada vez mais espaço na discussão sobre o futuro dos negócios e da sociedade como um todo. A ausência de consenso na definição, entretanto, demonstra que o conceito ainda é recente e ainda está sendo compreendido.

O que são tecnologias emergentes?

Para definir o conceito “tecnologias emergentes”, o Liga Insights sintetizou as informações encontradas principalmente no meio acadêmico e considerou como emergentes as tecnologias com potencial para criar ou transformar o ambiente de negócios nos próximos cinco a dez anos, que poderão alcançar grande influência econômica, mas que ainda não se consolidaram. São tecnologias que geralmente já possuem aplicações práticas, despertam grande interesse de empreendedores, corporações e investidores por seu potencial de rápido crescimento e impacto na sociedade e que ainda não foram plenamente exploradas.

De acordo com Frank Diana, consultor e especialista em evolução e futuro dos negócios, a importância das emerging technologies se dá pelo potencial que a ciência e a tecnologia têm para mudar os padrões de vida e a maneira como a sociedade interage.

Elas nos darão a plataforma para resolver os maiores desafios do mundo. Estamos à beira de uma nova melhoria em relação aos padrões de vida, com potencial de alcance global. Podemos levar em consideração os avanços em robótica, nanotecnologia e biotecnologia, resultando, por exemplo, em ambientes sustentáveis e maior expectativa de vida", afirma Diana.

Simultaneamente, também se tornam fatores responsáveis pelas mudanças e transformações no ambiente de negócios. Influenciam na reestruturação de indústrias e setores do mercado, com a mudança dos modelos tradicionais de produção e distribuição de produtos, ideias e informações. Diana acredita que, como o crescimento de tecnologias emergentes está sendo um dos responsáveis pelas mudanças das próximas décadas, determinados negócios encontrarão dificuldades: “Se não conseguirem ver a chegada das mudanças e criar uma cultura de adaptação às tecnologias, não sobreviverão”, diz o especialista.

A necessidade de investimento em tecnologia

De acordo com o estudo The State of Tech Investment by the Fortune 500, divulgado pelo CB Insights, as empresas consideradas non-tech estão perdendo valor de mercado para as “gigantes da tecnologia”. Como resposta, algumas empresas veem o investimento em tecnologias emergentes como uma oportunidade para sobreviverem às mudanças, como é o caso da J. P. Morgan. O CEO global, Jamie Dimon, anunciou que a empresa investiu US$ 9,5 bilhões nessas tecnologias em 2016.

Segundo relatório divulgado pelo IDC (International Data Corporation), os investimentos em inteligência artificial poderão atingir a marca de US$ 46 bilhões até 2020. Somente em 2017, o instituto prevê um investimento de US$ 12,5 bilhões, 60% a mais do que em 2016. Outro relatório, o Big Ideas, divulgado em junho de 2017 pela ARK Invest, prevê que o mercado de manufatura aditiva (impressões 3-D) poderá atingir US$ 41 bilhões até 2020. O de robótica e automação, US$ 12 trilhões até 2035.

Arte com informações sobre a expectativa de investimento em tecnologias emergentes até 2020.

Por outro lado, não são todas as empresas que aderiram a esse movimento de mercado. De acordo com a pesquisa Global CIO Survey: Creating Legacy, divulgada em janeiro de 2016, pela Deloitte, somente 15% dos entrevistados afirmaram que a empresa destina os recursos financeiros para tecnologias emergentes. O estudo da consultoria ainda aponta que 84% do orçamento de TI é gasta em execução de operações diárias, apesar de 45% afirmarem que uma das prioridades empresariais é a inovação.

A realidade brasileira

No Brasil, pode-se perceber que, apesar de ser um mercado receptivo para adoção de tecnologias, o cenário de tecnologias emergentes no país ainda é incipiente. Pela pesquisa inicial de definição e categorização, identificamos que muitas delas ainda se encontram em fase de consolidação e desenvolvimento. Entretanto, vêm ganhando relevância no mercado brasileiro. Tecnologias de IoT, por exemplo, já movimentaram US$ 1,7 bilhão no Brasil, segundo o Índice Qualcomm da Sociedade da Inovação (QuISI) 2016.

Das 7.512 startups brasileiras analisadas pela Liga Ventures, 193 estão relacionadas às tecnologias emergentes, inseridas em setores como os de agricultura e pecuária, saúde e bem-estar, construção e arquitetura, tecnologia da informação e energia. Verificamos que ao redor do mundo existem mais de 250 tecnologias emergentes aplicadas em aproximadamente 30 áreas, variando de acordo com os planos de desenvolvimento dos países e seu perfil de empreendedorismo e do empreendedor.

Confira aqui o mapa de startups brasileiras relacionadas às tecnologias emergentes.

Saiba o que os profissionais de grandes empresas e especialistas estão falando sobre o tema em entrevistas completas aqui

Etiquetas
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo

Ad Blocker Detected!

Advertisements fund this website. Please disable your adblocking software or whitelist our website.
Thank You!
Fechar
Fechar